quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Fui um pau de fosfor




Voz traz a noite, o rio Lisboeta

Cantei a luz de um sol escaldante e dor

Foi o amor que deixei para traz 

Há quanto tempo deixei, fui-me  embora

Para bem longe, pra o outro lado do mar não se quimou
Fui como o fogo.
A vida é como um pau de fósforo
Sou ao mesmo tempo
Centenas de fósforos
Mas na verdade sou só um
Pela vida fora.
sou um pau de fosforo
de queimado
Tudo se apaga
E reina o silêncio
Conciliável 
mdp

Sem comentários:

Enviar um comentário